Entrevistamos Linda Lu, atriz do espetáculo “Entre o Céu e o Inferno”

Atriz já esteve presente em inúmeros projetos na TV e no Teatro

Linda Lú já esteve em novelas como “Segundo Sol“, “Joia Rara” e “Em Família“, e no seriado “Chapa Quente“, todas produções da Rede Globo. Também possui vasta experiência nos palcos do teatro. A sua nova empreitada é na peça “Entre o céu e o Inferno” (que, infelizmente, foi suspensa devido a pandemia do coronavírus), onde faz Sônia, uma ex-prostituta que encontra um bebê na lata de lixo e vê nele uma espécie de redenção. Batemos um papo com a atriz e falamos um pouco sobre o espetáculo, sobre sua carreira e as dificuldades em ser artista no Brasil.

Confira a entrevista

Rodrigo Chinchio.: Você começou a carreira artística muito cedo, com 13 anos, através de uma ONG. Hoje, você trabalha em algum projeto que ajuda jovens a seguir o mesmo caminho que o seu?

Linda Lú.: Infelizmente não estou trabalhando em nenhum projeto para poder ajudar voluntariamente os jovens em vulnerabilidade social. Gostaria muito de ajudar e mostrar para cada um deles o quanto são importantes e que jamais devem parar de sonhar e lutar pelos seus sonhos. É preciso ter fé, força e coragem para enfrentar os obstáculos da vida.

R.C.: Aproveitando o assunto, qual seu sentimento sobre a atual situação de sucateamento da cultura brasileira?

L.L.: É um sentimento desesperador! A cada dia que passa sofremos cada vez mais com o descaso do investimento para melhorar a cultura Brasileira. É preciso investir muito mais para poder viver só da arte, que está deploravelmente insustentável com essa decadência.

R.C.: Como resultado deste descaso com a cultura, obras independentes como “Entre o céu e o Inferno” dependem de financiamento coletivo para acontecerem. Caso você tivesse a oportunidade de conhecer o secretário da Cultura Nacional, teria algo a dizer a ele sobre esse cenário?

L.L.: Diria simplesmente que o nosso trabalho artístico não é uma brincadeira! Estudamos para nos tornarmos profissionais, investimos e continuamos a investir muito caro para nos mantermos na Arte, mesmo tendo que sacrificar parte da nossa vida. Então, não permitimos esse descaso com a cultura Brasileira e queremos providências imediatas.

R.C.: Mudando de assunto. Você já participou de algumas produções para a TV e várias peças de teatro. Gosta mais de atuar no teatro ou na TV?

L.L.: Estar no palco é completamente surreal, porque atuar diretamente para o público é uma energia sem igual de emoção. O importante para mim é estar sempre em cena atuando, tanto no Teatro como na TV.

R.C.: Há muita diferença na preparação e na própria atuação entre um e outro?

L.L.: A preparação para ambos é igual, na atuação para o teatro é algo mais emocionante por estar presente com o público e tendo as reações imediatas. Na TV tudo é mais contido, bem diferente.

R.C.:  Como foi a preparação para viver a Sônia em “Entre o céu e o Inferno”?

L.L.: Aproveitei algumas coisas que já tinha de laboratório e aproveitei para enfatizar em cada detalhe do procedimento do meu personagem, o qual eu gostei logo de cara de quando li o texto. No momento em que “Sônia” se torna mãe e precisa ser forte, eu me inspirei em minha mãe que é uma grande guerreira.

R.C.: O que chamou a sua atenção para a personagem?

L.L.: A luta constante que “Sônia” passa para ser alguém na vida, e o momento que ela encontra um bebê na lata do lixo e muda de vida completamente por ambos.

R.C.:  Você já possui algum projeto pós “Entre o céu e o Inferno”?

L.L.: Sim, faço parte de um projeto do filme “Escândalo” que fala sobre abuso sexual. Uma história do livro “Escândalo” contada pela autora Simone Ferrety.

R.C.: Você, neste momento de quarentena, está trabalhando no personagem? É possível pensar em outra coisa além da covid-19?

L.L.: Mesmo em quarentena não podemos parar de trabalhar no personagem, é preciso ter foco para não perder o que já foi construído no personagem durante os ensaios antes da quarentena. Infelizmente o covid-19 se tornou o centro das atenções abalando a vida de todos. Então, é complicado pensar em outra coisa, a não ser tentar fazer de tudo para ajudar o próximo neste momento tão difícil.

O espetáculo “Entre o Céu e o Inferno” é produzido de forma totalmente independente, sem auxílio de leis de incentivo e/ou empresas patrocinadoras. Por isso, caso queira ajudar os artistas envolvidos na obra, há uma campanha de financiamento coletivo no Catarse

Matéria originalmente publicada no site Woo! Magazine

Não Pare aqui!

Veja mais...